Início do conteúdo

Apresentação


O Programa de Pós-graduação Stricto sensu em Biologia Parasitária do Instituto Oswaldo Cruz (PGBP/IOC/Fiocruz) visa à formação científica avançada de pesquisadores, profissionais dos campos da ciência e tecnologia em saúde e docentes de ensino superior para as diferentes abordagens das áreas do conhecimento relacionadas à Parasitologia. A proposta é associar a tradição de excelência à necessidade de manter-se na vanguarda científica e tecnológica das áreas envolvidas no conceito mais amplo da Parasitologia.

Atualmente, o Programa está credenciado na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes/MEC) com conceito 7, considerado como excelência pela instituição. O Programa pertence à área 9, Ciências Biológicas III, da Capes, e apresenta quatro áreas de concentração: Biologia; Genética e Bioquímica; Ecologia e Epidemiologia; e Imunologia e Patogenia. Estas áreas de concentração englobam, atualmente, 11 linhas de pesquisa que abrangem estudos de agentes infecciosos e parasitários, vetores e hospedeiros, entre as quais estão a Biologia Celular e Ultraestrutura; Biologia; Genética; Genômica e Proteômica; Taxonomia; Desenvolvimento de métodos de diagnóstico e controle; Ecologia; Epidemiologia; Estudos bioquímicos e moleculares; Imunologia e Patogênese; e Patologia de doenças infecciosas e parasitárias.

Além do desenvolvimento de pesquisa básica, muitos projetos desenvolvidos docentes do Programa estão voltados para o desenvolvimento tecnológico e inovação em saúde, sendo esta ação uma das mais relevantes no contexto de inserção atual da Fiocruz nas políticas públicas de ciência e tecnologia em saúde no país. Os Laboratórios de pesquisa do IOC hoje dispõem de equipamentos de alta tecnologia, possibilitando o desenvolvimento de pesquisa de ponta nas áreas de concentração do Programa.

Adicionalmente, o Programa de Pós-graduação Stricto sensu em Biologia Parasitária também propicia aos alunos atividades exercidas por um conjunto de Laboratórios da Rede Nacional de Vigilância Epidemiológica, que exerce atividades fundamentais para estratégias nacionais e internacionais de saúde pública na área de doenças infecciosas e parasitárias. O acervo das Coleções Biológicas (zoológicas e microbiológicas) que, há mais de um século, o Instituto Oswaldo Cruz forma e preserva, subsidia atividades voltadas à pesquisa científica e tecnológica. Das 21 Coleções Biológicas que o IOC detém, 11 são consideradas, no âmbito do Ministério do Meio Ambiente, como “fiéis depositárias” de amostras de componentes do patrimônio genético brasileiro.

As diretrizes dos cursos ficam sob a responsabilidade da coordenação acadêmica do Programa, exercida pela Comissão de Pós-graduação (CPG), composta por, no mínimo, cinco docentes e um representante do corpo discente. A comissão contribui para que os critérios de avaliação, segundo indicadores estabelecidos pela Capes, sejam mantidos.

O Programa ofereceu 33 disciplinas em 2012, sendo obrigatórias: Parasitologia I (subdividida nos módulos Bacteriologia, Virologia e Micologia) e Parasitologia II (Protozoologia, Helmintologia, Entomologia e Malacologia). Estas mantêm a identidade do programa e são responsáveis por estimular a visão crítica do processo de geração do conhecimento científico em Parasitologia.

O corpo docente do Programa de Pós-graduação Stricto sensu em Biologia Parasitária, atualmente, é constituído por 52 docentes permanentes e oito colaboradores, que fazem parte de 35 dos 71 Laboratórios de pesquisa do IOC.  Destes, 77% são bolsistas de produtividade do CNPq, sendo 40% com nível I e 60% com nível II. A maioria possui o título de doutor há mais de 10 anos, obtido no exterior, em universidades públicas brasileiras ou no Instituto Oswaldo Cruz. Metade do corpo docente permanente concluiu o Pós-doutorado no exterior.

O PGBP conta, ainda, com recursos do Programa de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde (PDTIS/Fiocruz), do Programa de Inovação Tecnológica e Científica (Inovatec/Faperj), o Programa de Apoio à Pesquisa Estratégica em Saúde (Papes/Fiocruz) e Programa de Excelência em Pesquisa do Instituto Oswaldo Cruz (Proep-IOC), além dos recursos das agências de fomento nacionais em diferentes editais do CNPq, Capes, Faperj e Ministério da Saúde.
 
O Programa, através de colaborações internacionais, capta recursos de instituições da Comunidade Econômica Europeia (CEE), Agência Nacional de Pesquisa em AIDS (ANRS/França), Instituto Pasteur (França), National Institutes of Health (NIH/Estados Unidos), McMaster University (Canadá) e International Foundation for Science (IFS). Estes recursos contribuem para o desenvolvimento de projetos de pesquisa.

*Atualizado em 07/04/2014.

Confira a galeria de imagens do Programa, com fotos cedidas pelos docentes e discentes

Voltar ao topoVoltar